diversos, Mobile

Web Devs: 6 dicas para quem está começando a programar para web

15 de junho de 2017
5 dicas para quem está começando a programar para web

Você acabou de entrar no mercado de desenvolvimento web e pretende seguir carreira na área? Então confira estas 5 dicas para quem está começando a programar para web.

Linguagens de programação: Tente aprender mais de uma

Para o desenvolvedor que buscou focar em uma linguagem específica, é uma tendência tão natural quanto errática usar a mesma linguagem em todo projeto de software com o qual se depare. Toda linguagem de programação é limitada em um aspecto ou outro e tais limitações se estenderão para as aplicações que você desenvolve. Portanto, é importante tentar conhecer e dominar os princípios de outras linguagens. É o que vai te proporcionar a sabedoria necessária para escolher a ferramenta mais adequada para cada tipo de situação. O pessoal do Stack Overflow compilou uma lista das linguagens de programação mais usadas em 2017 – e, não é nenhuma surpresa que o JavaScript esteja ocupando a primeira posição, com folga. Acesse a lista clicando aqui, e comece a pensar sobre qual será a sua próxima linguagem de programação.

Utilize frameworks

Nosso tempo é valioso de mais para ser desperdiçado fazendo coisas do zero, de modo que a produtividade deve ser priorizada com rigor. Eis aí, um motivo para adotar algum framework. Você pode até se virar sem eles, mas estará jogando a sua produtividade pela janela, recriando soluções que já existem e funcionam bem. Os frameworks são um conjunto de funcionalidades de software prontas, criadas para abstrair toda a complexidade de uma aplicação, te permitindo desenvolver projetos com base no reuso destas funcionalidades base. Eles não apenas são capazes de proporcionar o completo controle da arquitetura do software a ser desenvolvido, como também permitem que você utilize os design patterns mais conhecidos. São ferramentas que darão um verdadeiro impulso na sua produtividade, qualidade e na velocidade das suas entregas. Existe uma variedade enorme de frameworks para as principais linguagens de programação utilizadas hoje. Então, você só precisa escolher aquele(s) que se encaixa(m) melhor no seu mercado. O pessoal do Stack Overflow também reuniu uma lista dos frameworks mais usados em 2017. Clique aqui para conferir esta lista.

Caso queira adiantar seus estudos, no meu canal do Youtube há uma playlist inteirinha dedicada ao CakePHP e outra ao Django, dois dos frameworks que estão entre os mais usados hoje em dia.

 

Evite funcionalidades extras em suas aplicações, sempre que puder

Uma funcionalidade não deve ser desenvolvida a menos que exista uma necessidade clara em torno dela. Funcionalidades extras constituem um dos piores desperdícios no desenvolvimento de software. É uma tendência típica em situações onde os requisitos do software, ou da necessidade em questão, não foram claramente compreendidos. Nunca comece a desenvolver uma aplicação sem antes ter uma definição bem clara a cerca dos requisitos do projeto. É preciso focar no problema principal para poder entregar um software realmente útil, com todas as funcionalidades que de fato serão utilizadas. Sempre que acontece o oposto, são comuns os casos em que você desenvolve uma aplicação enorme, onde 80% daquilo que o cliente realmente precisa estará contido em apenas 20% do que foi implementado. E o restante? Muito provavelmente ficará subutilizado – é um grande desperdício de tempo, de esforço, e de dinheiro.

E quando se tratar de um software produto? Bem, nestes casos tente liberar este produto aos poucos, disponibilize um MVP (Produto mínimo viável) que esteja apto a solucionar o problema principal, e vá incrementando conforme chegam os feedbacks. Tente trabalhar com incrementos de software. Deste modo você consegue desenvolver um produto sob medida, completamente voltado às necessidades do seu público. É importante que você adote esta mentalidade desde o começo, e que a trate-a como uma filosofia para sua carreira.

Desapega do FTP

O FTP é um protocolo bastante primitivo, que ajudou a consolidar a web durante muitos anos – ele ainda é muito usado (incrível). Mas, os tempos mudaram e hoje cada segundo perdido conta. Vamos imaginar uma situação simples, ainda comum hoje em dia. Imagine que você esteja fazendo manutenção em uma grande aplicação web, e precisou alterar cerca de 30 arquivos diferentes, espalhados por toda a estrutura de pastas do software. Você rodou os testes e constatou que tudo está funcionando, em sua máquina de desenvolvimento local. É hora de enviar para o servidor de produção. No momento de fazer o deploy, você vai precisar entrar de pasta em pasta e enviar os arquivos um por um. É assim que funciona quando você utiliza clientes de FTP para publicar suas WebApps.

Este tipo de situação é mais comum do que você imagina, mas visto é bem pouco prática, deve ser evitada. É absolutamente imperativo o uso de ferramentas melhores e mais adequadas para fazer a entrega das nossas aplicações. Existe um punhado de ferramentas que esta finalidade, mas você pode muito bem começar com o GIT, que não só permite o deploy (Utilize os Git Hooks a seu favor? ), como o versionamento de todo o seu código. Há situações em que é preciso mais do que isso, mas para uma grande variedade de casos, o GIT já é o bastante.

 

Mobile: Tente focar no multiplataforma

Todo desenvolvedor que consiga criar aplicativos para ao menos as duas plataformas móveis mais utilizadas (Android e IOS) estará em franca vantagem, ocupando posições bem privilegiadas no mercado. Cada plataforma possui uma linguagem de programação nativa. A linguagem nativa do Android é o Java – no evento Google I/O 2017 a Google anunciou oficialmente o suporte a linguagem Kotlin no Android. A do IOS é a Swift (ou o Objective-C). Eu preciso aprender a desenvolver nestas duas linguagens, se quiser criar apps multiplataforma? Não necessariamente, embora eu o aconselhe. Você utilizará linguagens nativas apenas em situações muito específicas, visto que o desenvolvimento com código nativo implica em esforço e custos bem maiores. Para a maioria das situações você poderá contar com tecnologias de desenvolvimento mobile Multiplataforma, como o Xamarin, o React Native, ou o Ionic. Com estes, você desenvolve o código uma única vez e consegue publicar o app em mais de uma plataforma – com nativo não é assim, você terá que desenvolver um código para cada ambiente, com custos de desenvolvimento bem maiores.

Seja qual for a sua escolha, o importante é que você esteja devidamente capacitado para oferecer uma solução completa e integrada para o seu cliente, acessível no máximo de dispositivos que puder e com o menor custo possível.

Não tenha receio de investir em um bom serviço de hosting

Há um oceano de tecnologias legais para se usar tanto em ambientes de desenvolvimento, quanto em produção. Desde ferramentas que aumentam o desempenho da sua aplicação, como o Varnish Cache, ou o Google Page Speed Module, até linguagens de programação mais interessantes do que o PHP, como o Ruby, Python, ou JavaScript no lado do servidor (com NodeJS). Porém, se você não puder contar com um serviço de hosting decente, estará bem limitado no que se referir ao uso destas tecnologias. Se você é desenvolvedor individual, empreendedor que pretende montar um negócio nesta área, então eu sugiro que tente investir em um bom serviço de hosting. Comece com um VPS, por exemplo, que hoje não custa caro. Neste artigo eu indico alguns serviços legais que você pode contratar.

O mercado de desenvolvimento de software, seja web ou mobile, é muito promissor. É empolgante ver o resultado do seu trabalho acontecendo e solucionando os problemas das outras pessoas. Mas, para que isto ocorra você precisa se cercar de ferramentas adequadas, abraçar coisas novas, tecnologias novas e focar sempre na melhoria contínua dos seus processos e métodos.

O que você achou deste artigo?

Like
4

Veja também